Bolívia

Um dos lugares pelo qual mais gosto e viajar é a América do Sul, e acredito que já falei isso por aqui. Mas não falei da Bolívia,  um país de paisagens maravilhosas e bem baratinho para uma visita.

É claro que o lugar mais conhecido e visitado por lá é o Salar de Uyuni, com seu deserto de sal dando a impressão de estar caminhando no céu e dando a possibilidade de fotos maravilhosas. Mas também tem o Lago Titicaca, na fronteira com o Peru, a capital La Paz e outras cidades como Potosí ou Oruru.

A minha viagem por lá começou em Copacabana, cidadezinha a beira do Lago Titicaca, com passeios para a Isla del Sol, no meio do lago. Se preferir, é possível se hospedar na ilha, mas será um pouco mais caro.

Dois dias são mais do que suficientes para conhecer o local, e de lá segui para La Paz, cidade com a qual, confesso, não tive um bom relacionamento. Tem muita gente que ama a capital boliviana, mas eu não consegui me apaixonar dessa forma, e acabei ficando apenas dois dias, visitando a Feria de Las Brujas (Feira das Bruxas), um mercado onde você encontra artesanato típico da região e presentes para levar de lembranças, e alguns museus e construções históricas.

De lá segui para Uyuni, em uma viagem de ônibus bem ruim, pois no meio do caminho o asfalto acaba se você não consegue mais dormir devido ao sacolejar do ônibus. Isso foi em 2011, mas continuo ouvindo as pessoas reclamarem dessa viagem…

Enfim, não tem muita opção para fugir desse ônibus, mas garanto que a noite mal dormida vai valer a pena.

Ao chegar em Uyuni já fui direto para a empresa com a qual tinha fechado o passeio (tinha contratado o serviço pelo hostel em La Paz, chamado Loki). Há quem chega lá sem ter o passeio já comprado e vai buscando  uma empresa, mas como estava viajando sozinha, preferi já ter adquirir o pacote antes.

O carro, um 4×4, parte com seis pessoas no máximo, e eu fiz a viagem com um casal de canadenses, outro de ingleses e uma garota holandesa que assim como eu, viajava sozinha, além do motorista, claro.

A primeira parada foi o cemitério de trens, que também rendem fotos bem legais para quem curte esses lugares abandonados, e logo em seguida partimos para o deserto de sal. Fui em abril e ainda havia partes inundadas do deserto. Eu particularmente prefiro assim, pois a água reflete o céu e deixa uma imagem sem horizonte, linda de se ver.

Mas além do deserto de sal, o passeio passa por áreas que parecem um deserto normal mesmo, incluindo aí visuais como a árvore de pedra, a Laguna Colorada (lugar onde faz frio para caramba, mas que é lindo) e geisers.

Tudo isso em três dias e duas noites, encerrando na fronteira com o Chile. Mas também há opções de passeio de apenas um dia, ou de até mesmo quatro. É um passeio que vale a pena fazer!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s